Publicado em

A mão na testa pode significar o que?

Os gestos que realizamos quando estamos nos comunicando podem ser indicativos valiosos de intenções, expressão emoções e outros aspectos que não estão sendo expressos na linguagem verbal. Colocar a mão para trás, coçar o nariz e tantos outros gestos, quando analisados corretamente, indicam estresse, mentira, interesse naquilo que está sendo dito etc.

Saber analisar essa linguagem não verbal é um POTENTE diferencial para aqueles que querem ter uma comunicação mais clara, eficiente e deseja aproveitar todas as oportunidades que uma conversa pode proporcionar, desde a oportunidade de fechamento de um negócio até perceber se aquela pessoa a qual estamos conversando pode estar mais receptiva a aquilo que estamos propondo.

Desta forma vamos entender um pouco mais do que pode significar o gesto de levar a mão à testa.

Indicio do sinal: Culpa. Pode indicar também que a pessoa em análise está sob alta pressão e procura se manter calmo (mas representa uma pequena parcela dos casos). Famosa por parecer com uma expressão: “putz fiz m****”.

Como fazer uma analise correta desse sinal: Após perceber a linha de base da pessoa que está sendo analisada, nos devemos começar a procurar por “hotspots” (pontos quentes), que são indicadores que o corpo está em uma situação de alta pressão, que pode indicar que  ela está sendo desonesta ou tendo uma atitude dissimulada.

Durante a pergunta ou interrogatório a outra pessoa vai tentar (se ela estiver escondendo alguma informação) a todo momento esconder, mas já sabemos que o nosso corpo entrega os sinais e por isso podemos detectar as mentiras e fatos que tentam ficar escondidos, usando técnicas especificas vamos aos poucos descobrindo os fatos verdadeiros e esse sinal das mãos na testa aparece quando por algum motivo essa pessoa comete um ATO FALHO como por exemplo: A pessoa recebe a seguinte pergunta “Amor que horas você chegou em casa ontem” e a resposta fica assim: “Amor cheguei por volta de cin…. uma hora” ao falar a verdade veio a tona por um segundo e logo depois ele “consertou” com a mentira, bem provável logo após esse ato falho a pessoa vai colocar as mãos na testa como forma de culpa ou arrependimento.

Podemos concluir que o gesto de levar a mão à testa pode significar culpa, contudo é importante sempre fazer uma análise considerando a linha de base da pessoa, perceber os “hotspots” para entender que esse sinal é realmente um indicativo de culpa ou se a pessoa está se sentindo pressionada. Por isso a necessidade de realizarmos um estudo aprofundado sobre linguagem corporal para que tenhamos em mente todas as variáveis para fazer uma leitura adequada e correta da linguagem não verbal.

Publicado em 3 comentários

De novo ela: Betina!

Objeto da Análise: Bettina Empiricus.
Data: 19/03/2019.

Contexto: Análise do vídeo propaganda onde Bettina diz ser fácil ter um patrimônio como o dela.

Nesse vídeo aparece a Srta. Bettina, onde ela fala que aos 22 anos conseguiu construir um patrimônio de 1.042.000,00 (Hum milhão e quarenta e dois mil reais), mas será que isso e realmente verdade?

Vamos analisar:

Logo nos primeiros segundos podemos perceber que, ao se apresentar e falar sobre o seu patrimônio, conseguimos analisar que ela tem uma fala de forma robótica e fazendo questão de pontuar os fatos, inclusive com relação ao patrimônio, o que logo em seguida conseguimos perceber que não é a linha de base dela, ou seja, pode ser um fato falso ou algo ensaiado e combinado.

Aos 00:13 segundos do vídeo ao olhar pro ombro esquerdo dela (ombro direito de quem assiste o vídeo) dá pra ver um leve levantamento, o que indica incerteza no que está sendo falado.

Aos 00:36 segundos, quando ela diz “Simples assim” também notamos um levantar dos dois ombros que novamente indica que não é tão simples assim!

No 01:03 segundos, ao falar sobre lucrar o mesmo que ela, a Srta. Bettina faz um gesto negativo com a cabeça sinalizando que não! Nesse vídeo podemos perceber que em alguns fatos existem sim uma incerteza e em outros fatos existem exageros e desonestidades.

Durante a análise conseguimos perceber, com o contexto, ao sempre falar que é simples ou fácil trilhar o mesmo caminho, sua linguagem corporal diz que não é tão simples assim, demonstrando certa desonestidade. Fato esse que é denunciado pela sua linguagem não verbal.

A seguir o vídeo polêmico e que foi utilizado para a analise.

Publicado em 2 comentários

Como nossas emoções funcionam?

Neste artigo vamos entender um pouco mais sobre o nosso cérebro, como nossas emoções funcionam e por onde tudo começa.

De acordo com o autor Albert Mehrabian nós partimos da teoria que o nosso cérebro e Trino, onde nosso modelo de comunicação é: 7 – 38 – 55, onde provavelmente é o mito mais difundido na internet, mas se levarmos bem ao pé da letra isso vai deixar implícito que nos vamos conseguir entender outra língua simplesmente ao observar a linguagem corporal de outra pessoa. Vamos entender o mito e explicar melhor o seu real significado:

  • 7% – Neocortex – da nossa interação social são palavras ditas, verbalizadas
  • 38% – Sistema Límbico da nossa interação social diz respeito ao nosso tom de voz, timbre, palavra escolhida e como utilizar. (onde estudamos a origem das emoções).
  • 55% – Reptiliano – da nossa interação social é a parte mais antiga e é responsável por nossos instintos, nossa vontade e intenção de se expressar, de comer e de agir por isso representa uma parte importante do nosso sistema.

Uma pessoa que em uma conversa mostra uma expressão de raiva na face e fala em um tom de voz alto dizendo que está “tudo bem” está mostrando uma incongruência grande entre sua linguagem não verbal e suas palavras, por isso devemos estar atentos ao que o corpo quer dizer ao invés de somente focar nas palavras. Nesse caso o interlocutor tem que perceber a incongruência e analisar a verdadeira emoção e intenção por trás das palavras da pessoa (que nós vamos conseguir através da análise da linguagem não verbal).

E foi exatamente essa a mensagem que o autor Albert Mehrabian quis nos passar, devemos prestar mais atenção na linguagem não verbal do que na verbal em si.

E como nos preparar melhor pra controlar nosso corpo e melhorar nossas interações sociais? A dica mais valiosa é SEJA VOCÊ MESMO, o seu interlocutor consegue perceber se você tenta ser uma outra pessoa e suas chances de fechar um negocio ou de convencer uma pessoa diminui drasticamente. O melhor que devemos fazer e buscar conhecimento e a partir dai melhorar nossa linguagem, não fingir ser uma pessoa que nós não somos.

Publicado em

Linguagem não verbal

Nesse artigo começaremos a desmistificar algumas coisas que giram em torno da nossa linguagem não verbal. O primeiro desses mitos e o fato que varias pessoas falam que a comunicação (palavras) representam somente 7% na nossa interação social e a linguagem não verbal representa 93%. Isso já podemos afirmar de cara que não é verdade: imaginem se somente murmurando uma frase alguém fosse capaz de nos entender? Você acha que isso seria capaz? Obviamente que não! Na linguagem não verbal realmente as palavras representam uma pequena porção da interação, mas com certeza mais de 7%.

E por que nossa interação social depende de vários fatores além das palavras? O nosso cérebro consegue perceber muito além do que somente as palavras e pra isso ele analisa nosso corpo, nossa face e nossa paralinguagem. Vamos destrinchar aqui pra ficar mais fácil:

  • Nosso corpo: Antes mesmo de começar uma interação com alguém o nosso cérebro já consegue nos primeiros segundos fazer uma analise (inconsciente) da outra pessoa para detectar se ela e confiável ou não. Sugiro que olhem na internet a foto do Homúnculo horizontal, nessa foto você vai ver onde o nosso cérebro fica atento durante uma interação e dessa forma conseguir se preparar e utilizar a sua linguagem não verbal de acordo com a situação
  • Nossa Face: O Dr. Paul Ekman durante toda sua vida fez um trabalho que nos possibilitou ver a verdadeira emoção na face da pessoa e dessa forma saber se a pessoa está sendo desonesta ou não e qual emoção que ela está sentindo naquele momento. E como foi feito isso¿ O Dr. Paul Ekman mapeou todos os músculos da nossa face e percebeu que cada um tinha uma unidade de ação individual então ele atribuiu a eles um numero que foram denominados de AU para facilitar a identificação, e trouxe pra nos a verdade que, quando um conjunto de músculos se agrupam em determinado momento quer dizer que a pessoa sentiu uma das 7 emoções universais: Tristeza, Surpresa, Medo, Raiva, Nojo/Aversão, Desprezo e Alegria. Com essa movimentação conseguimos captar as emoções na hora em que elas aparecem com um método científico e comprovado.
  • Nossa Paralinguagem: Não é somente o que nos falamos, mas sim o tom de voz que usamos as escolhas de palavras, se nos gaguejamos ou não entre outros… Durante uma fala nos podemos passar por varias emoções e por isso fica fácil de perceber essa oscilação na nossa voz e no nosso jeito de falar.

Esperamos, com este artigo, ter auxiliado a desmistificar um pouco mais este assunto e contribuído para o ensino dessa ciência que é fascinante!